Skip to main content

Como evitar e tratar as assaduras do bebê

Inflamações atingem principalmente o bumbum, a área íntima e as dobrinhas de quem usa fraldas

O processo inflamatório pode ocorrer de forma muito rápida, deixando o bebê irritado e choroso e levando os pais a procurarem imediatamente o motivo. Dentre algumas situações comuns possíveis, como fome e sono, é preciso lembrar de checar a fralda. Nem sempre ela incomoda o bebê apenas porque está cheia. Ele também pode estar sentindo um desconforto importante por causa de uma possível assadura. Não dá mesmo para querer bom humor de quem está com sensação de queimação na pele!

Causas comuns
A assadura é uma inflamação ocasionada por substâncias irritantes à pele. O mais comum é que o culpado seja o contato prolongado com uma combinação de fezes e urina na fralda úmida – não à toa, outro nome para o problema é dermatite de fraldas. Ela acomete meninas e meninos e pode aparecer a qualquer momento, especialmente enquanto o bebê usar fraldas.

O que causa a inflamação é a ativação das enzimas das fezes (lipases e proteases) aliada à umidade da urina. Isso aumenta o pH da região do bumbum e da genitália do bebê, diminui sua proteção natural e deixa a pele mais permeável e propensa à infecção por fungos e micro-organismos. Vale ressaltar que, sozinha, a urina recente não causa assaduras, mas a que fica por horas em contato com a pele, sim.

Outros fatores que podem levar à assadura são irritação por produto químico (sabão ou amaciante de roupas), agravamento de doenças já existentes (dermatite seborreica e psoríase, entre outras), fricção da fralda ou da roupa com a pele, fraldas apertadas demais e introdução alimentar com sólidos que alterem a composição ou a frequência das fezes.

Se isso acontecer com o bebê, fique calmo e não se desespere! O problema é comum e estima-se que aproximadamente 25% das crianças apresentarão esta dermatose até os dois anos de vida. As assaduras podem ser evitadas prestando atenção aos hábitos cotidianos e com a correção de alguns equívocos. Saiba, a seguir, como ajudar seu filho a passar longe das assaduras:

Fraldas
Devem ser trocadas de 5 a 6 vezes por dia ou sempre que o bebê fizer cocô. O risco de desenvolver dermatite de fralda é maior entre três meses e um ano de vida. Porém, com fraldas mais modernas, descartáveis e com géis absorventes mais eficientes, a incidência das assaduras diminuiu muito.

Higiene
Os lenços umedecidos são ótimas opções na hora da higiene, pois vários são desenvolvidos sem perfume, sem álcool ou para peles sensíveis. Você também encontra no mercado versões desenvolvidas especialmente para o recém-nascido. JOHNSON'S® baby Toalhinhas Umedecidas Recém-Nascido podem ser usadas desde o primeiro dia de vida e são tão seguras quanto à higienização com água e algodão.  A Sociedade Brasileira de Pediatria verificou que eles têm praticamente o mesmo efeito na pele do bebê quando comparados à combinação algodão-água-sabonete.

Secagem e ventilação
Passe delicadamente uma toalha na pele do bumbum, da genitália e das dobrinhas do bebê na secagem pós-limpeza. Depois, deixe a pele do bebê “respirar” por um tempinho para a pele ficar sequinha naturalmente.

Cremes contra assaduras
Geralmente à base de óxido de zinco, o creme antiassadura cria uma película protetora que impede a ação das enzimas das fezes. Deve ser usado a cada troca de fraldas como prevenção, e não apenas quando houver sinais de irritação. Uma camada fina do produto já é o suficiente. Estão disponíveis no mercado versões com textura leve de fácil aplicação e remoção que podem ser aliados nesse momento, como DESITIN® Creamy.

Leite materno
O bebê que mama no peito tem vantagem no combate às assaduras. Isso porque o leite materno tem papel protetor, pois o predomínio no intestino dos bacilos bífidos determina um pH mais ácido nas fezes. Nas crianças alimentadas com derivados do leite de vaca, a colonização do intestino grosso por enterobactérias e bacteroides determina um pH alcalino, que eleva os níveis de irritação pela combinação de fezes com urina.

O bebê já está com assaduras. E agora?
Se seu filho apresentar um quadro de assadura, consulte o pediatra. De acordo com a avaliação do médico, a conduta pode seguir com a prescrição de antifúngicos e antibióticos (para infecção por fungos), antibiótico tópico ou oral (para infecção bacteriana) ou corticoides tópicos de baixa potência (para processos inflamatórios mais graves).

Tais medicamentos não devem ser usados de rotina e só podem ser empregados quando prescritos por um médico.

Voltar ao topo